Postcron é a Maneira Mais Fácil de Programar Postagens no Facebook, Twitter e Google+ Experimente Grátis

Marketing de conteúdo: post de qualidade vs massivo. Vai de quê, moço?

Por Julio Paiva | Content Creator Postcron.com

Quem trabalha com marketing de conteúdo sabe que além de criar uma post  qualidade, o mais importante é gerar resultados. Por exemplo, aumentar o tráfego web é o mínimo que uma marca espera das suas campanhas de Marketing Online. Mesmo assim, o objetivo final é ir além: a publicação deve ajudar nas conversões e fidelizar o público alvo.
Na teoria, tudo entendido, não? Mas, entremos na letra miúda, nas entrelinhas de todo esse processo. Há meios e formas de quantificar os resultados e um dos que mais repercutem são os números. Sim, estatística pura, visitantes, likes, comments and shares.

Quem não gostaria de publicar no seu currículo aquele post que teve ´trocentas visitas?

aprendar a gerar resultados para seus posts

Mas, peraí, foi só nesse post? Qual foi a repercussão gerada por essa publicação? Por isso é importante diferenciar o valor que cada medição transparenta. Não é a mesma coisa comparar um post para facebook que foi um sucesso de visitas com outro que foi compartilhada massivamente.

A quantidade de acessos é importante, mas mantenhamos a atenção entre o – aparente – antagonismo que há entre visitas e um dado que é a menina dos olhos deste artigo: os Shares.

Lado A: Visitas

O SEO ama o tráfego massivo, se for orgânico, melhor ainda. É exatamente neste ponto que eu queria abrir um parêntese: ser o “bonitão” das visitas é suficiente? Tudo bem, uma multidão de gente entrou na sua publicação, e…?

É tráfego massivoo que você busca?

É provável que muita gente:

a) Não leia o seu conteúdo na íntegra;

b) Não seja cativado por esse lindo artigo que você escreveu;

c) Não se interesse em contar  o que viu pra ninguém.

E já que morrer na praia não é o objetivo de nenhuma marca, é importante analisar as características desta aparente audiência online. Talvez o primeiro desafio seja fazer que cliquem no seu link e acesse o seu conteúdo, mas isso, definitivamente, é só começo.

Lado B: Social Signals

As visitas são quantitativas, mas podem fornecer outros dados como idade, localização, etc; mesmo assim, esses números não dão feedback sobre a qualidade do conteúdo.

Você pode até medir o tempo de permanência na página com ferramentas de análise com algum web analaytics tollkit como o Alexa, mas estes dados ainda são insuficientes para dizer se vocês encontrou o caminho das pedras ou se foi somente um sucesso estatístico.

Seu conteúdo é ótimo, e daí?

Agora é hora de analisar o engajamento da sua audiência. Conseguir likes não é o mais difícil, aliás, uma grande quantidade de curtidas não é necessariamente representativa  do ponto de vista do engajamento. O dado mais importante e que dá uma melhor ideia de como assimilam os seus posts são os shares.

Uma curtida significa que alguém simpatizou com a sua publicação, mas não necessariamente entrou no conteúdo ou mesmo leu o artigo na íntegra. Comentários também são bem vindos, mas não fazem que seu conteúdo circule. É aqui onde entra o mais importante para a análise de sua estratégia de  Content Marketing: se o seu artigo foi – ou não – compartilhado.

O poder da internet não vem do conteúdo em si ou de estatísticas, todo o seu investimento em conteúdo não significa muito se ele não for transmitido.  Publicações que não circulam não têm o mesmo valor de uma mensagem que é retransmitida.

O melhor conteúdo é o que se compartilha

Quando um usuário de redes sociais compartilha o seu artigo, isso significa que ele acredita no que você está dizendo. Mais ainda, significa que ele decidiu comunicar para os seus círculos que seu post merece ser compartilhado; gol de placa pro seu conteúdo.

E se a estatística das visitas – ou likes – ainda está emitindo o seu canto de seria, aqui vai um número que pode ajudar a esclarecer o que quero dizer: os novos algoritmos do Facebook dão até 1.300% mais de peso para shares do que para likes, simples assim.

Descascando a cebola, digo: o Sharing

Para aprofundar o tema, de acordo com Dennis Yu, CEO de da BlitzMetrics:

“Shares são o melhor recurso do mundo dos artigos web. Se alguém compartilha o seu conteúdo, isso significa que esse usuário aprova o seu artigo ao ponto de confiar a sua reputação. Seu anúncio ou publicação é interessante o suficiente quando alguém tem interesse em mostrá-lo para outras pessoas”.

Ok, até agora há argumentos suficientes para que você dê mais atenção aos shares do que likes e número de visitas, então, poderíamos seguir desconstruindo para entender melhor a ação.

Fale mais sobre seu conteúdo...

É importante entender o que motiva um usuário a compartilhar uma publicação. Entre as principais razões, podemos destacar:

– O apoio à marca, causa ou entidade;

– Uma ajuda a alguém por motivos pessoais;

– A criação de sua imagem na internet, o que contribui para criar sua identidade.

Se há algo em comum entre estes três pontos, e que vai na contra-mão da prática de muitas empresas, é o componente emocional. Digo “contrário” ao que se vê porque é importante destacar a diferença entre um usuário compartilhar uma oportunidade – promoção de produtos ou serviços – ou compartilhar uma história, opinião ou notícia. Uma promoção trata-se de um evento único, um posicionamento é algo que agrega valor emocional.

Venda, mas também emocione

Um bom exemplo da necessidade de envolver emocionalmente a audiência são as Fanpages de agências de viagens. Suas páginas são o melhor caminho para levar ao público as promoções, mas se o único tipo de conteúdo que compartilham está relacionado a ofertas, o público costuma remover o atributo “seguindo” da mesma e não recebe as notificações.

Não adianta nada ter 80.000 likes na sua fanpage se a maioria dos fãs não recebe as notificações.

É precisamente nestes casos onde variar o conteúdo é fundamental, as agencias de viagens têm que contrastar os flyers promocionais com imagens ou mensagens que despertem o desejo de viajar e atinjam diretamente o emocional da audiência.

Venda e emocione

Quem compartilha:

– Confirma a ideia de que não há nada melhor que um domingo em MontMartre, em Paris;

– Cria ao redor de si uma aura de sofisticação;

– Ajuda a Despegar.com a conquistar mais fãs e potenciais clientes.

Seu conteúdo é péssimo

Ok, peguei pesado, mas a web não facilita pra ninguém. O seu conteúdo é compartilhado pelo seu público? Caso contrário, é hora de você repensar sua estratégia editorial e analisar se não está cometendo alguns dos seguintes erros:

Você só pensa em vender

O grande desafio do Marketing moderno é exatamente encontrar alternativas da publicidade tradicional. É importante fornecer mais do que somente uma oportunidade de economia, o seu futuro cliente quer se identificar com o que sua marca acredita, e não só adquirir os seus produtos.

Você não facilita o ato de compartilhar

Seu post tem um botão de Share? Seu post convida à audiência a mostrar para seus amigos o que você disse? Dê uma força para os preguiçosos internautas! Não é todo mundo que copia a URL do  artigo e cola nos seus feeds. Calls to action, floating buttons e mensagens destacadas são ótimos recursos pra facilitar o sharing.

Você não entende a sua audiência

Este talvez seja o pior dos cenários possíveis. Entender seu público-alvo é a tarefa número um da sua estratégia de conteúdos. A imagem correta, a frase de efeito, o tema de interesse; tudo têm de estar ajustado ao perfil do seu seguidor.

like or not

Conseguir um envolvimento emocional com a sua audiência não é uma tarefa a curto prazo, mesmo assim, não é nada impossível. Reveja sua estratégia e o estilo de suas publicações, você talvez queira saber um pouco mais sobre Storytelling ou mesmo sobre como criar o post perfeito. E aí, não começou ainda?

Comments

Social